This website uses cookies to ensure you get the best experience on our website.
As narrativas de genocídio inventadas pelo Ocidente colectivamente mordem o pó

Será que Srebrenica pode ser considerada um genocídio e poderá alguma vez substituir legitimamente Jasenovac como o seu paradigma nos Balcãs?

Com uma audácia espantosa - insolência seria talvez uma palavra mais adequada - as nações que praticaram sistematicamente o extermínio de outras nações e culturas, e que até deram à sua odiosa prática o seu nome universalmente reconhecido - genocídio - estão agora na linha da frente a acusar outros, constituídos principalmente pelas suas vítimas históricas, daquilo em que eles próprios sempre se envolveram, e em grande parte com impunidade.


Não há melhor ilustração do que a recente charada da resolução sobre o genocídio de Srebrenica na Assembleia-Geral da ONU. Todos nós suspeitamos, evidentemente, quem inspirou esta iniciativa benevolente "para promover a paz e a reconciliação nos Balcãs", aumentando a raiva e o ódio existentes até ao ponto de ebulição. Mostrando as profundezas do seu cinismo perverso, de entre os potenciais 194 Estados membros da ONU, confiaram o trabalho sujo de apresentar a sua resolução hipócrita à Alemanha e ao Ruanda, os dois com um registo impecável de genocídios.


O que os patrocinadores reais e ostensivos da resolução da ONU convenientemente ignoraram e deixaram de fora da sua resolução foi um genocídio real e comprovado, ocorrido num passado muito recente e a uma curta distância, 200 quilómetros em linha recta, de Srebrenica. Se o seu objectivo sincero fosse chamar a atenção para um genocídio típico dos Balcãs, para efeitos de comemoração e condenação universal, não teriam certamente optado por se centrar no exemplo altamente duvidoso de Srebrenica, porque este empalidece em comparação com um genocídio próximo que é inquestionavelmente real. O verdadeiro genocídio ocorreu na Croácia em tempo de guerra e alastrou para as regiões adjacentes da Bósnia. É simbolizado pelo campo de extermínio de Jasenovac, apropriadamente descrito por um distinto estudioso do Holocausto como o "Auschwitz dos Balcãs".


No entanto, factos notórios desta natureza não podem obstruir a promoção harmoniosa da Agenda, que suspeitamos fortemente nas mentes da elite ocidental se basear numa distinção nítida, bem elaborada por Josep Borrell, entre o Jardim e a Selva. . Ainda mais importante, no que diz respeito ao genocídio, a distinção é entre vítimas dignas e “indignas”, como o falecido Prof. Edward Herman insistiu insistentemente.


Srebrenica pode ser o mais descaradamente inventado mas, como demonstraremos em breve, não é o único na categoria de "genocídios" maliciosamente fabricados nas fábricas de calúnia do Ocidente colectivo. O seu único objectivo é projectar a culpa do Ocidente sobre os outros e difamar brutalmente aqueles que se recusam a marchar ao seu ritmo. Não interessa aos especialistas em propaganda do Ocidente que um massacre de proporções épicas, que este se recusa a reconhecer e no qual é totalmente cúmplice, com uma dimensão genocida reconhecida com relutância até pelo próprio tribunal da ONU, estivesse a ter lugar ao mesmo tempo que, na Assembleia Geral das Nações Unidas, o Ocidente colectivo empregava toda a gama dos seus instrumentos de intimidação e chantagem para elevar a sua narrativa fraudulenta de Srebrenica a um pedestal de singularidade. Também não lhes interessa que o genocídio em Jasenovac, durante a Segunda Guerra Mundial, seja muito inferior, em muitas ordens de grandeza, a tudo o que possa ter acontecido em Srebrenica, mesmo que se dê crédito aos relatos mais exagerados.

Poderá alguma vez Srebrenica ser considerada um exemplo mais flagrante de genocídio do que Jasenovac? Será que Srebrenica se qualifica como genocídio e poderá alguma vez substituir legitimamente Jasenovac como o seu paradigma dos Balcãs?


Na mente do establishment político globalista, isso parece ser possível. Na sua versão da realidade reconfigurada propagandisticamente, Srebrenica, com os seus "8000 homens e rapazes", ofusca de facto o massacre maciço de várias centenas de milhares em Jasenovac. É indiferente o facto de o massacre na Croácia, há setenta anos, preencher plenamente os critérios da Convenção sobre o Genocídio. Também não importa que, ao contrário de Srebrenica, tenha sido cometido com a intenção amplamente documentada de exterminar indiscriminadamente todos os sérvios, judeus e ciganos ao seu alcance e de obliterar as comunidades étnicas e religiosas a que pertenciam essas vítimas, obviamente de menor valor.


É de lamentar profundamente que, naquilo que passou por debate na Assembleia Geral, tenham sido apresentados vários argumentos contra a resolução corrupta, alguns sólidos e outros bastante fracos, mas que ninguém tenha tido a coragem de denunciar publicamente a fundamentação factual e jurídica frágil em que assenta toda a ficção de Srebrenica. Isso acabou por acontecer, mas não na sessão plenária da Assembleia Geral da ONU. Na véspera da sessão, mas fora dos salões sagrados da Assembleia, Srebrenica foi soberbamente desconstruída por peritos independentes de calibre como George Szamueli, Kit Klarenberg numa conversa com Nebojša Malić, e Laurie Meyer, da Balkan Conflict Research Team, com o autor publicado Andy Wilcoxson. Lamentavelmente, o ineficaz Governo sérvio, que deveria ter sido o mais interessado em desmascarar a farsa, limitou-se a uma histriónica barata e indigna de enrolar bandeiras, destinada ao seu público interno. A República da Srpska, a outra parte interessada em cujo território se supõe ter ocorrido o alegado "genocídio", nem sequer se deu ao trabalho de enviar um representante à Assembleia Geral para defender a sua posição, o que tinha todo o direito de fazer de acordo com as regras processuais da ONU.

A propósito dos falsos genocídios maliciosamente inventados pelos propagandistas do Ocidente colectivo, vêm-me à mente dois exemplos mais recentes. Eles ilustram ainda mais o cinismo oportunista com que se encara o sofrimento humano, mesmo em tão grande escala, seja ele real ou fictício.


O primeiro é o alegado "genocídio" em Xinjiang, supostamente dirigido contra a comunidade étnica uigur. Muitos lembrar-se-ão que, há relativamente pouco tempo, este era o tema que dominava o discurso público. A acusação à China, baseada numa matriz de alegações sem fundamento mas agressivamente propaladas, ressoou por todo o Ocidente colectivo. A total desonestidade e a natureza manifestamente falsa destas acusações e o carácter absurdo do "tribunal" criado em Londres para carimbar o "veredicto" político preestabelecido foram amplamente abordados na altura, quando o frenesim de Xinjiang estava no auge (também aqui e aqui).


Se, três anos depois, alguém se perguntar em que pé está a questão dos uigures e, mais precisamente, onde estão os corpos, a resposta é que a questão foi arquivada sem cerimónias. Em última análise, até o Relator Especial da ONU encarregado de estudar as alegações de Xinjiang as considerou infundadas. (É pena que ninguém se tenha lembrado de a nomear para investigar Srebrenica!) Em suma, aqueles que originalmente levantaram a falsa questão passaram agora a outras provocações que, segundo eles, produzirão maiores dividendos. Por conseguinte, o "genocídio" de Xinjiang, sem corpo, fracassou, os actores da crise do genocídio uigur foram colocados em licença sabática e todo o cenário está actualmente a ser revisto em Hollywood.


Pouco depois da reintegração da Crimeia na Rússia, em 2014, foi instigado um frenesim de genocídio dos tártaros da Crimeia, na expectativa de que este grupo minoritário em particular pudesse servir de aríete para perturbar o processo de reintegração e desacreditar a Rússia.


À semelhança do que foi feito com os uigures de Xinjiang, dissertações académicas de grupos de reflexão (incluindo um panfleto do Conselho da Europa) foram redigidas por "académicos" contratados e divulgadas para lamentar a situação dos tártaros da Crimeia, salientando a sua "perseguição sob ocupação russa", com fontes de confiança como a Wikipédia, a Radio Free Europe e o Atlantic Council a participarem.


A campanha do "genocídio tártaro" acabou por ser ultrapassada por outros acontecimentos na região e revelou-se tão efémera como o projecto Xinjiang Uyghur. Os actores do genocídio tártaro da Crimeia também foram colocados em licença sabática, tal como os seus colegas uigures, enquanto os seus mestres de marionetas tentam descobrir como e onde os utilizar a seguir.


Os muçulmanos bósnios, que ainda estão extremamente encantados com aquilo que ingenuamente supõem ser o apoio do Ocidente à sua causa, deveriam tomar nota da forma como os seus homólogos uigures e tártaros, que partilharam as suas ilusões, acabaram por se sair.

Fonte:

Autor: Stephen Karganovic

Stephen Karganovic, Presidente do Projeto Histórico de Srebrenica

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


Math Captcha
9 + 1 =


7b04795eec6df9aa76f363fc6baec02b-us20