This website uses cookies to ensure you get the best experience on our website.
Os génios Macron e Scholz defendem que a Rússia deve atacar os membros da NATO

Macron juntou-se ao coro dos que pedem que a Ucrânia seja autorizada a utilizar armas de longo alcance para atacar profundamente o território russo.

O génio francês Emmanuel Macron continua a carregar no botão para a Terceira Guerra Mundial, desta vez quando esteve em Berlim esta semana para persuadir a Alemanha a entrar em modo de autodestruição.


Macron juntou-se ao coro de outras figuras da NATO que pedem que a Ucrânia seja autorizada a usar armas de longo alcance para atacar profundamente o território russo.


Parece que Macron conseguiu seduzir os alemães com a sua missão maníaca. Após o encontro, o chanceler alemão Olaf Scholz deixou de se opor a esses ataques e passou a aprová-los.


Scholz disse na sua conferência de imprensa conjunta: "A Ucrânia tem todas as possibilidades de o fazer, ao abrigo do direito internacional. É preciso dizer claramente que, se a Ucrânia for atacada, pode defender-se".


Ainda na semana passada, o "líder" alemão (um termo que deve ser usado com licença artística) opunha-se a tal acção. Tão previsível é esta dança de cabeças. Lembrem-se da oposição fugaz do passado aos tanques Leopard, etc.


O Presidente francês afirmou que a Ucrânia deve ter o direito de "neutralizar" as bases militares russas que estão a lançar ataques aéreos contra a Ucrânia.


"Pensamos que devemos permitir-lhes neutralizar os locais militares onde são disparados mísseis, de onde... a Ucrânia é atacada", disse, acrescentando: "Não devemos permitir que toquem noutros alvos na Rússia e, obviamente, nas capacidades civis".


Os comentários suscitaram um aviso do Presidente russo, Vladimir Putin, que afirmou que a "escalada constante" era brincar com o fogo e que os ataques de longo alcance à Rússia com armas da NATO teriam "consequências" para os territórios da NATO. Em suma, as consequências são uma guerra total e uma conflagração nuclear.


A megalomania de Macron está a contribuir de forma exagerada para o início da Terceira Guerra Mundial. Este pequeno político (em termos de carreira) quer ser o líder da Europa e está continuamente a aumentar a fasquia com exercícios de pressão no peito. Há semanas, lançou a ideia de enviar tropas da NATO para a Ucrânia, uma ideia que começa a ganhar força. Esta semana, o comandante-chefe da Ucrânia saudou a chegada iminente de instrutores militares franceses.


Agora, Macron está a apoiar os apelos para que a NATO aprove oficialmente os ataques aéreos de longo alcance contra a Rússia.


O principal factor que leva a estes apelos é o desespero da NATO, uma vez que o seu regime ucraniano por procuração enfrenta o colapso no meio de ganhos militares russos significativos após quase dois anos e meio de guerra e centenas de milhares de milhões de dólares desperdiçados por Washington e os seus vassalos ocidentais. A Rússia está a ganhar, apesar do enorme esforço do Ocidente para a derrotar. Por isso, a aposta do Ocidente é duplicar as perdas ignominiosas.

A bravata de Macron está cheia de enganos e ilusões. O regime ucraniano já está a utilizar armas de longo alcance da NATO para atacar a Rússia, incluindo mísseis de cruzeiro Scalp de fabrico francês. Os instrutores franceses e da NATO já estão na Ucrânia e têm estado lá desde o golpe de Estado patrocinado pela CIA em Kiev, em 2014, que levou ao poder um regime neonazi.


A aparente probidade de Macron sobre "não permitir ataques a capacidades civis" é um disparate cínico. O regime de Kiev e os seus instrutores da NATO, que utilizam armas de longo alcance da NATO, têm vindo a matar regularmente dezenas de civis em território russo que faz fronteira com a Ucrânia, incluindo Belgorod, Bryansk e Kursk.


Toda esta conversa sobre "desatar as mãos da Ucrânia" é apenas uma explicitação da política existente da NATO.


Esta posição oficial é, no entanto, uma grave escalada. É o mais próximo possível de declarar guerra à Rússia.


Por uma questão de argumentação, vamos dar alguma folga a Macron e Scholz. Aceitemos que as bases militares russas localizadas em território russo antes da guerra, que disparam armas contra a Ucrânia, devem ser neutralizadas. Deixando de lado a chicana retórica, vamos assumir que Macron e Scholz estão apenas a tentar nivelar o campo de batalha, por assim dizer, e dar à Ucrânia a mesma capacidade militar e liberdade que a Rússia. Vocês batem-nos, para nós podermos bater-vos. Parece-me justo.


Seguindo este raciocínio, o princípio é que a Ucrânia deve poder atingir os locais russos a partir dos quais estão a ser montados ataques contra a Ucrânia.


Mas aqui é que está o problema. Macron e Scholz estão, inadvertidamente, a defender que a Rússia possa, da mesma forma, atacar os centros de onde partem os ataques ao seu território. A única razão pela qual Macron e Scholz não vêem esta coerência lógica deve-se, presumivelmente, à arrogância, ao duplipensar e ao servilismo abjecto ao Tio Sam.


Que centros da NATO podem ser alvos legítimos? A base de Ramstein, na Alemanha, seria um alvo fácil. É aqui que os chefes dos EUA e da NATO se reúnem regularmente para planear a próxima fase de envio de armas para a Ucrânia.


E que tal o Ministério da Defesa francês em Paris? Esta semana, o Ministro da Defesa francês manteve conversações de alto nível com os seus homólogos ucranianos para dar luz verde ao destacamento de instrutores franceses para ajudar a disparar armas contra a Rússia.


E que tal Berlim, Londres, Bruxelas e Madrid, onde esta semana foram elaborados mais planos para enviar mais munições militares no valor de milhares de milhões de dólares para a Ucrânia, a fim de manter a guerra por procuração com a Rússia?

Macron e Scholz querem desatar as mãos da Ucrânia para atingir a Rússia com mísseis da NATO. Ao fazê-lo, estão a desatar as mãos da Rússia.


Não é de admirar que os cidadãos europeus estejam cada vez mais apreensivos com a lógica desequilibrada de Macron e de outros, como o norueguês Jens Stoltenberg, figura de proa da NATO, e os nostalgistas nazis dos Estados bálticos. As próximas eleições para o Parlamento Europeu prometem ser um castigo para políticos do establishment como Macron e Scholz. Ironicamente, estes políticos querem ganhar votos com uma aparência dura. Acabarão por perder votos e legitimidade devido à raiva e ao desgosto popular pelo seu belicismo imprudente.


Estão a apresentar-se como meros cães de guarda patéticos do Tio Sam.


Até há pouco tempo, Scholz tinha-se manifestado contra a ideia de as tropas e armas da NATO serem usadas directamente contra a Rússia. Agora, virou-se como um cão de circo para um biscoito.


Macron foi recebido em Berlim esta semana para apaziguar as fricções entre a França e a Alemanha. Não há dúvida de que Berlim está irritada com o facto de o Presidente francês ter assumido a responsabilidade de aumentar a fasquia das hostilidades com a Rússia, tentando fazer-se passar pelo "cão de fila" da Europa, mostrando uma "liderança machista".


Na realidade, o "cão de fila" não passa de um patético caniche cor-de-rosa do Tio Sam.


Como as coisas mudaram. Houve uma altura em que os alemães se pavoneavam em Paris com pouca resistência. Agora vemos um narcisista francês a pavonear-se em Berlim... e os alemães a deitarem-se e a rebolarem-se com a língua de fora.

Fonte:

Autor: Finian Cunningham

Finian Cunningham

Antigo editor e redactor de grandes organizações de comunicação social. Escreveu extensivamente sobre assuntos internacionais, com artigos publicados em várias línguas

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


Math Captcha
39 − 35 =


7b04795eec6df9aa76f363fc6baec02b-us20