This website uses cookies to ensure you get the best experience on our website.
Para encobrir os crimes de guerra, Israel alega que “perdeu o controlo” sobre os soldados

A alegação de Israel de ter perdido o controlo sobre as unidades militares em Gaza é uma tentativa de obter cobertura legal para os crimes de guerra das suas tropas e esconde uma questão muito mais profunda de impunidade sistémica dentro do exército de ocupação.

Vários meses depois de os comentadores da comunicação social terem começado a prever uma "derrota estratégica" para as forças israelitas em Gaza, o alto comando militar de Israel afirma ter perdido o controlo sobre várias unidades das suas forças armadas.


O argumento parece servir de bode expiatório para os soldados de ocupação, a fim de proporcionar uma negação plausível aos seus superiores e dissociá-los das acusações de crimes de guerra. O vasto conjunto de provas que está a emergir sobre estas alegadas "unidades israelitas radicais" pode potencialmente conduzir a uma acusação condenatória da liderança militar de Telavive.


Apesar do recente apelo do Tribunal Internacional de Justiça (TIJ) a Israel para que suspenda a sua operação militar em Rafah, a cidade mais a sul de Gaza, o Primeiro-Ministro israelita Benjamin Netanyahu mantém-se firme na sua promessa de invasão, mesmo enfrentando pessoalmente um mandado de captura do Tribunal Penal Internacional (TPI). Marcada pela divisão interna e pela pressão para cumprir a ordem do TIJ, Telavive encontra-se numa posição precária.

As "unidades desonestas" do exército de ocupação

O diário hebraico Haaretz lançou uma bomba narrativa no passado dia 26 de Maio ao afirmar que o "Estado-Maior do exército israelita perdeu o controlo sobre as unidades, especialmente as unidades de reserva, há meses". O artigo tenta descrever uma situação em que o Chefe do Estado-Maior Herzi Halevi acaba de "acordar" para a realidade de elementos alegadamente radicais que operam sob a sua alçada, com estas "unidades sem controlo" a cometerem os crimes citados pelo TIJ contra Israel.


Ao longo da guerra em Gaza, os soldados israelitas têm vindo a publicar provas de que cometeram crimes, demonstraram intenções genocidas e praticaram actos perversos enquanto operavam no interior do território costeiro sitiado.


Estes clipes incriminatórios, publicados principalmente no TikTok e no Instagram e também em grupos do Telegram que glorificam a morte de civis palestinianos, têm atraído muita má publicidade. Parece que os dirigentes israelitas estão agora a utilizar a estratégia das "poucas maçãs podres" para isentar de responsabilidade os seus altos responsáveis militares.


Não vai ser fácil. Alguns destes grupos nas redes sociais são dirigidos por funcionários da ocupação. Além disso, o establishment militar israelita admitiu ter contas no Telegram que exibem filmes snuff como parte de uma operação de guerra psicológica sob a alçada do "Departamento de Influência da Direcção de Operações".

Que unidades se tornaram radicais?

Até à data, não existe uma lista oficial das unidades que alegadamente "se tornaram radicais". O escritor do Haaretz, Amos Harel, propõe que essas tropas possam ser simplesmente identificadas por aqueles que publicaram vídeos incriminatórios de si próprios.


Veja-se o caso de Yair Ben David, um comandante do 2908º Batalhão, citado na petição do TIJ sul-africano por expressar intenções genocidas. Vangloriou-se da destruição que as suas forças causaram em Beit Hanoun, no norte de Gaza, referindo-se a uma história bíblica em que todos os habitantes do sexo masculino foram massacrados, e afirmou que "toda a Gaza deveria assemelhar-se a Beit Hanoun".


Apesar de esta declaração ter sido feita num vídeo publicado nas redes sociais em Dezembro de 2023, a liderança militar de Israel não tomou qualquer medida para controlar a sua unidade.


Outro artigo do Haaretz publicado no final de Janeiro, intitulado "O Exército israelita tem de agir antes que alguns dos seus soldados se transformem em gangues sem lei", referiu o comentário de Ben David e observou que "90 comandantes de batalhões de reservistas pediram ao chefe do Estado-Maior das FDI para não parar em Gaza, no Líbano e na Cisjordânia até à vitória".


David Bar Kalifa, comandante da Divisão 36, a maior divisão regular do exército israelita, foi também citado no artigo pelas suas ordens de "vingança" contra a população palestiniana. No entanto, Telavive não tomou quaisquer medidas para alterar ou reformar estruturalmente a divisão, que foi mais tarde transferida para a fronteira libanesa, apesar de o chefe do Comando Sul de Israel, Yaron Finkelman, ter defendido a sua deslocação para o centro de Gaza.


Aviad Yisraeli, um oficial do Batalhão 6261 da Brigada 261, publicou abertamente nas redes sociais a sua intenção de "garantir que não sobra ninguém" antes de participar na invasão de Khan Yunis em Dezembro. Yisraeli, que vive num posto avançado ilegal de colonos perto de Belém, na Cisjordânia ocupada, não foi punido pelos seus superiores e foi recentemente destacado para Rafah.


Em 6 de Maio, quando as forças israelitas tomaram a passagem de Rafah, os soldados filmaram-se a destruir e profanar a passagem e publicaram as imagens nas redes sociais. Estes soldados pertenciam à 401.ª Brigada da 162.ª Divisão, enquanto a Brigada Givati capturou outras zonas a leste de Rafah.


A tomada da passagem de Rafah foi talvez uma das ofensivas militares mais sensíveis cometidas pelos israelitas durante toda a guerra, porque a sua entrada no chamado "Corredor de Filadélfia" violou tecnicamente o acordo de Camp David de 1979 com o Egipto. A utilização da 401ª Brigada, conhecida pela sua subordinação, reflecte uma questão mais profunda no seio do alto comando israelita.


O porta-voz do exército israelita, Daniel Hagari, há meses que insta os soldados a não filmarem tais actos, o que é uma indicação clara de que a liderança do exército há muito que está ciente das suas acções. Até à data, não foram tomadas quaisquer medidas disciplinares - a medida mais pró-activa tomada pelas autoridades foi o anúncio de "investigações policiais" sobre a publicação de imagens na Internet. E não foi dado qualquer seguimento a estes inquéritos sobre os milhares de vídeos, fotografias e publicações dos soldados.

Controlar o caos

Se os dirigentes israelitas perderam verdadeiramente o controlo de unidades inteiras das suas forças armadas, porque é que essas unidades voltariam a entrar em acção em áreas sensíveis como a Cisjordânia, a Faixa de Gaza e ao longo da fronteira libanesa?


Uma decisão tão imprudente, envolvendo soldados suspeitos de não cumprirem ordens e cujos vídeos são utilizados como prova de intenção genocida no TIJ, constitui uma acusação significativa ao alto comando israelita.


Em Janeiro, um relatório da rádio hebraica "Kan Reshet Bet" afirmava:

Os reservistas que foram chamados a treinar antes da criação da Brigada Hashomer (...) criticaram severamente as graves lacunas em termos de equipamento, profissionalismo, falta de efectivos e, sobretudo, o facto de, a meio do treino, terem sido informados de que iam entrar na Faixa de Gaza sem terem feito a formação exigida.

Estas notícias não são invulgares nos meios de comunicação social israelitas e reflectem o estado do processo de tomada de decisão da liderança militar. Quando combinadas com as numerosas declarações de intenção genocida, documentadas pelo grupo de defesa dos direitos dos palestinianos Al-Haq, tanto da parte dos militares como dos dirigentes políticos, dão uma imagem de caos controlado.


A equipa jurídica sul-africana no TIJ associou a invocação por Netanyahu da história bíblica de Amalek aos soldados israelitas, interpretando-a como um apelo ao assassínio em massa de civis palestinianos. Os potenciais crimes de guerra motivados por este tipo de retórica não podem ser isolados a nível individual quando as decisões da liderança militar permitem este tipo de comportamento.


Se o alto comando israelita não tem conhecimento da existência de elementos radicais e descontrolados no seio das suas forças armadas, como explica a formação da unidade "Fronteira do Deserto", que integrou colonos extremistas da "Juventude do Topo da Colina"?

Um ambiente de impunidade

Este problema de comportamento imprudente dos soldados não começou em 2023; tem origem no facto de as tropas israelitas operarem num ambiente de total impunidade. Durante a guerra de 2008/9 em Gaza, o pior castigo aplicado a um soldado israelita que cometeu um crime foi o de roubar um cartão de crédito - não o de matar, torturar, espancar palestinianos ou arrasar as suas casas, empresas e terras.


Ou por usar palestinianos como escudos humanos - um crime que Telavive atribui ao Hamas, mas que as suas tropas cometem diariamente. Segundo a B'Tselem, dois soldados envolvidos na utilização de um menino de nove anos como escudo humano receberam uma sentença condicional de três meses e foram despromovidos de segundo-sargento a soldado raso dois anos após o incidente. Nenhum dos seus comandantes foi julgado.

Os dois soldados em questão tinham ordenado a um rapaz de nove anos, sob a mira de uma arma, que abrisse um saco que suspeitavam estar armadilhado. Apesar da gravidade da sua conduta - colocar uma criança em risco - os dois foram condenados a uma pena condicional de três meses e despromovidos de segundo-sargento a soldado raso, cerca de dois anos após o incidente ter ocorrido. Nenhum dos seus oficiais de comando foi julgado.

Desde então, o comportamento das tropas só tem piorado. Apesar de existirem muitos mais casos documentados de soldados israelitas que utilizam civis palestinianos - frequentemente crianças - como escudos humanos, este foi o último caso punido pelo sistema judicial israelita.


O argumento de que a liderança militar de Israel só agora está a acordar para a realidade da má conduta dos seus soldados serve para criar uma negação plausível. Não é por acaso que o exército israelita tem dado poder aos ideólogos extremistas e que os soldados indisciplinados, encorajados pela retórica genocida dos seus líderes, têm carta branca para cometer crimes contra os palestinianos.

Fonte:

Autor: Robert Inlakesh

Robert Inlakesh é analista político, jornalista e realizador de documentários. Viveu e fez reportagens nos territórios palestinianos ocupados e trabalhou com a RT, Middle East Eye, The New Arab, MEMO, Mint Press News, Al-Mayadeen English, TRT World e vários outros meios de comunicação social. Trabalhou como correspondente noticioso, analista político e produziu uma série de documentários.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


Math Captcha
99 − = 90


7b04795eec6df9aa76f363fc6baec02b-us20