This website uses cookies to ensure you get the best experience on our website.
Rússia, SCO, BRICS: A normalização do Afeganistão

Todo o caso Rússia-Taliban envolve um pacote gigantesco - que inclui petróleo, gás, minerais e muitas ligações ferroviárias.

No passado dia 26 de Maio, em Doha, tive uma reunião com três representantes de alto nível do Gabinete Político dos Talibãs no Qatar, incluindo um membro fundador do organismo (em 2012) e um funcionário-chave do anterior governo Taliban de 1996-2001. Por consentimento mútuo, os seus nomes não devem ser tornados públicos.


A reunião cordial foi mediada pelo Professor Sultan Barakat, que lecciona na Faculdade de Políticas Públicas da Universidade Hamad bin Khalifa - situada num campus excepcional e imaculado nos arredores de Doha, que atrai estudantes de todo o Sul Global. O Prof. Barakat é um dos poucos - discretos - actores que sabe tudo o que importa na Ásia Ocidental e, no seu caso, também na intersecção da Ásia Central e do Sul.


Com os meus três interlocutores talibãs, falámos longamente sobre os desafios da nova era Taliban, os novos projectos de desenvolvimento, o papel da Rússia-China e a Organização de Cooperação de Xangai (SCO). Estavam particularmente curiosos em relação à Rússia e colocaram várias questões.


O Professor Barakat está a trabalhar num ângulo paralelo. Está a conduzir o trabalho do Afghanistan Future Thought Forum, cuja 9ª sessão teve lugar em Oslo, em meados de Maio, e contou com a presença de 28 afegãos - homens e mulheres - bem como de uma série de diplomatas do Irão, Paquistão, Índia, China, Turquia, EUA, Reino Unido e UE, entre outros.


Os principais debates do fórum giram em torno da questão extremamente complexa do envolvimento dos Taliban com essa entidade difusa, a "comunidade internacional". Em Doha, perguntei directamente aos meus três interlocutores qual era a prioridade número um dos Talibans: "O fim das sanções", responderam.


Para que isso aconteça, o Conselho de Segurança da ONU tem de anular a sua decisão de 2003 de designar vários membros dos Taliban como uma organização terrorista; e, simultaneamente, a discriminação/diabolizada/sanções por parte de Washington têm de acabar. Actualmente, esta é uma tarefa extremamente difícil.


O fórum - a próxima sessão deverá ter lugar em Cabul, possivelmente no outono - está a trabalhar pacientemente, passo a passo. É uma questão de concessões sucessivas de ambos os lados, de criar confiança, e para isso é essencial nomear um mediador reconhecido pela ONU, ou "conselheiro para a normalização", para supervisionar todo o processo.


Neste caso, será essencial o apoio total da Rússia e da China, membros do Conselho de Segurança da ONU.

Nós somos os Talibns e estamos a falar a sério

Saí da reunião no Qatar com a impressão de que era possível dar passos positivos - em termos de normalização do Afeganistão como um todo. E, depois, uma intervenção mágica virou o jogo.


No dia seguinte à nossa reunião, antes de eu partir de Doha para Moscovo, tanto o Ministério dos Negócios Estrangeiros russo como o Ministério da Justiça informaram o Presidente Putin de que os Taliban poderiam ser excluídos da lista russa de organizações terroristas.


O excepcionalmente competente Zamir Kabulov, Representante Especial de Putin para o Afeganistão, foi directo ao assunto: sem a retirada dos Taliban da lista, a Rússia não pode reconhecer a nova administração em Cabul.


E, como um relógio, no mesmo dia Moscovo convidou os Talibans a participarem no Fórum Económico Internacional de São Petersburgo (SPIEF), que começa na próxima quarta-feira.


Kabulov referiu que "tradicionalmente, os afegãos estão interessados em continuar a cooperação na compra de produtos petrolíferos na Rússia e noutros bens de grande procura. É claro que, no futuro, será possível falar sobre as capacidades de trânsito do Afeganistão para alargar o volume de negócios comerciais".


E o Ministro dos Negócios Estrangeiros Sergey Lavrov, também no mesmo dia, em Tashkent, durante a visita oficial de Putin, praticamente fechou o acordo, dizendo que a normalização dos Talibans reflecte uma realidade objectiva: "Eles são o verdadeiro poder. Não somos indiferentes ao Afeganistão. Os nossos aliados, especialmente na Ásia Central, também não lhe são indiferentes. Por isso, este processo reflecte uma tomada de consciência da realidade".


O Cazaquistão já manifestou a sua "consciência da realidade": os Talibans saíram da lista de terroristas de Astana no ano passado. Na Rússia, na prática, os Talibans serão excluídos da lista de terroristas se o Supremo Tribunal o aprovar. É possível que isso aconteça nos próximos dois meses.

Este caso de amor vem com um pacote enorme

A normalização dos laços entre a Rússia e os Talibans é inevitável por várias razões. A principal prioridade está certamente relacionada com a segurança regional - o que implica esforços conjuntos para combater o papel nebuloso, obscuro e desestabilizador do ISIS-K, uma ramificação terrorista do ISIS que é activamente apoiada, na sombra, pela CIA/MI6 como instrumento para dividir para reinar. O Director do FSB, Alexander Bortnikov, está plenamente consciente de que um Afeganistão estável significa um governo Taliban estável.


E esse sentimento é totalmente partilhado pela Organização de Cooperação de Xangai (SCO) como um todo. O Afeganistão é um observador da SCO. Inevitavelmente, tornar-se-á um membro de pleno direito nos próximos dois anos, no máximo - consolidando a sua normalização.


Depois, há a bonança do corredor de conectividade que se avizinha - que interessa tanto à Rússia como à China. Pequim está a construir outra maravilha da engenharia rodoviária no corredor de Wakhan para ligar Xinjiang ao nordeste do Afeganistão. E depois o plano é integrar Cabul no Corredor Económico China-Paquistão (CPEC): uma integração geoeconómica à velocidade da luz.


Moscovo - bem como Nova Deli - estão de olho nas consequências do Corredor Internacional de Transporte Norte-Sul (INSTC) multimodal, que liga a Rússia, o Irão e a Índia. O porto de Chabahar, no Irão, é um nó essencial para a Rota da Seda da Índia, ligando-o ao Afeganistão e, mais além, aos mercados da Ásia Central.


Depois, há a riqueza mineral afegã, ainda não explorada, que vale pelo menos um bilião de dólares. Incluindo o lítio.


Cabul também está a planear construir nada menos do que um centro russo para exportar energia para o Paquistão - tudo isto faz parte de um futuro acordo estratégico de energia entre o Paquistão e a Rússia.


O que Putin disse ao primeiro-ministro paquistanês, Shebhaz Sharif, à margem da cimeira da SCO em Samarkand, em 2022, é extremamente significativo: "O objectivo é fornecer gás por gasoduto da Rússia para o Paquistão (...) Algumas infra-estruturas já estão instaladas na Rússia, no Cazaquistão e no Uzbequistão". O Afeganistão entra agora em cena.


De acordo com um Memorando de Entendimento assinado em Tashkent em Novembro de 2023, à margem do Fórum Internacional de Transportes da SCO, trata-se do corredor de transportes Bielorrússia-Rússia-Cazaquistão-Uzbequistão-Afeganistão-Paquistão.


A peça que falta neste fascinante puzzle é ligar o que já existe - caminhos-de-ferro que atravessam a Bielorrússia-Rússia-Cazaquistão-Uzbequistão - a um novo caminho de ferro Paquistão-Afeganistão-Uzbequistão. As duas últimas secções deste projecto Paquistão-Afeganistão-Uzbequistão começaram a ser construídas há apenas alguns meses.

Foi exactamente este projecto que constou da declaração conjunta emitida por Putin e pelo Presidente uzbeque Shavkat Mirziyoyev no início desta semana em Tashkent.


Putin e Mirziyoyev avaliaram positivamente a primeira reunião do grupo de trabalho sobre o desenvolvimento do corredor de transporte multimodal Bielorrússia-Rússia-Cazaquistão-Uzbequistão-Afeganistão-Paquistão, que teve lugar em 23 de Abril de 2024 na cidade uzbeque de Termez", refere a TASS.


Portanto, todo o caso Rússia-Taliban envolve um pacote gigantesco - que inclui petróleo, gás, minerais e muita conectividade ferroviária.


Não há dúvida de que no próximo fórum de São Petersburgo surgirão muitos pormenores interessantes, uma vez que estará presente uma delegação Taliban que inclui o ministro do Trabalho e o chefe da Câmara de Comércio e Indústria.


E há mais: O Afeganistão dos Talibans 2.0 vai ser convidado para a próxima cimeira dos BRICS+, em Outubro próximo, em Kazan. Isto é que é uma mega convergência estratégica. É melhor que o Conselho de Segurança da ONU se apresse a normalizar o Afeganistão para a "comunidade internacional". Oh, espera: quem se importa, quando a Rússia-China, a SCO e os BRICS já o estão a fazer.

Fonte:

Autor: Pepe Escobar

Pepe Escobar é colunista do Strategic Culture Foundation e do The Cradle, editor-geral do Asia Times e analista geopolítico independente centrado na Eurásia. Desde meados dos anos 80, viveu e trabalhou como correspondente estrangeiro em Londres, Paris, Milão, Los Angeles, Singapura e Banguecoque. É autor de inúmeros livros; o último é Raging Twenties

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


Math Captcha
9 + 1 =


7b04795eec6df9aa76f363fc6baec02b-us20